COMPANHEIROS PORTUGUESES


Irmãos portugueses, vítimas como eu
da impunidade de muitos desonestos.
Expirou o tempo de resistir à dor.
Portugal é de todos nós, não se rendeu.
Accionemos uma onda de protestos
contra cada demagogo, ou opressor.
Não devemos continuar indiferentes
ao abuso do poder duma certa malta,
e aos seus eventuais golpes financeiros.
Nós não somos mais um molho de inocentes
que se conquista com as luzes da ribalta,
projectada por camafeus interesseiros.
Enquanto sacrificados pelo abuso
dum poder em reconhecida decadência
- que, de iludir o país não se abstém...
O Zé Povinho, paupérrimo e obtuso,
continua a ver uns que vivem muito mal,
enquanto outros - Oh Deus Meu! - vivem tão bem!
Por que permitimos esta vergonha crassa
a que políticos sem pejo, nos condenam?
Até quando manter-se-á esta miséria?
Seremos nós indiferentes à desgraça?
Onde estão afinal, os que mais ordenam?
Era verdade ou apenas pura léria?
Palavras de ordem pra quê? Não precisamos!
Todos nós sabemos bem a lição de cor,
não carecemos de mais tretas, de ninguém.
Há muitos anos - Santo Deus! - que nós andamos
a viver na corda bamba, com tanta dor,
que até já sabemos o que nos convém.
Não queiramos de nós próprios ter vergonha,
pois temos contas a prestar aos nossos filhos.
Teremos todos um mau fim, se continuarmos
a confiar a nação a quem se oponha
ao projecto de nos livrarmos dos sarilhos
em que a sua ambição quer afundar-nos.
Digamos todos NÃO ao voto inconsequente,
por teimosa filiação a um partido.
Repensemos muito bem a nossa opção.
A grande prioridade, a mais urgente,
é a da nossa segurança no sentido
de sentirmos todos orgulho na Nação.


Data da criação deste conteúdo:
2022-07-22