A PESCA NA PRAIA DE VIEIRA DE LEIRIA

Arte Xávega

(Clique na Imagem para assistir ao vídeo)

É verdadeiramente emocionante a entrada de um barco de pesca no mar, sobretudo durante os primeiros momentos da operação de controle da posição em que o barco deverá entrar para que não suceda o pior. É louvável a comunhão de sentimentos e de responsabilidade existente entre os que se envolvem nesta tarefa. Sente-se, em cada elemento, uma grande dose de Cooperação, Humanidade, Altruismo e Espírito de Luta, permanecendo, porém, entre estes sentimentos, o Orgulho bem patente entre os elementos de cada “campanha”, quando vão para o mar. Há sempre a Expectativa, talvez, de quem conseguiu pescar mais e melhor, o que motiva o Esforço a dedicar ao trabalho. Quando o mar está bravo, esta tarefa apresenta-se dramática, com os familiares dos pescadores arrastando-se de joelhos pela areia, em preces emocionantes, clamando protecção para quem está dentro daquele barquinho, aparentemente tão frágil. Vivi isto em pequena, quando ia para esta praia passar férias, local onde nasceu meu Pai. Eu tinha um primo pescador, que tinha o apelido de “Ganeno”, tendo ficado na minha memória, bem nítido, o timbre da sua voz quando, de madrugada, passava alguém da sua “campanha”, que gritava, num tom calmo… – Ó Ganeno, o mar está manso…” – parece-me ouvi-lo ainda. É uma praia de gente vocacionada para aceitar o cumprimento de um seu dever existencial, mais do que o de viver com um objectivo material, mesmo sendo esta, também, uma das pretensões de cada elemento. Contudo, o primeiro supera o segundo, na alma de cada um. Aceitação e Resignação comandam a vida desta pessoas, depois… vem a Entrega e o Orgulho (ou não) do que conseguem atingir.

Data da criação deste conteúdo:
2022-07-03
Imagem de: Miguel Letra
Vídeo de: Maria Letra